COM DÓLAR TÃO ALTO, AS EXPORTAÇÕES PODEM SALVAR O BRASIL?

outubro 21, 2015 | em: Blog | por: Marketing Databras

De janeiro a junho de 2015, as exportações brasileiras somaram 94,32 bilhões de dólares, valor 14,66% menor do que o apresentado no mesmo período do ano passado.

size_810_16_9_navio_se_aproxima_de_porto_de_long_beach

dólar chegou a bater em R$ 4,25, no mês passado, de longe a maior cotação da história da moeda. Agora voltou para R$ 3,90 – ainda assim uma desvalorização histórica do real, que só ficou atrás do rublo russo nos últimos 12 meses.

Perde o consumidor brasileiro, que vê a inflação subir e seu poder de compra minguar. Também ficam vulneráveis empresas com dívida em dólar ou que precisam importar matéria-prima. 

A parte boa é que o dólar alto acelera o ajuste das contas externas. O gasto dos turistas no exterior em agosto caiu pela metade em relação a agosto de 2014 e a remessa de lucros desabou (também efeito da recessão).

A última projeção é que o déficit em conta corrente caia quase 40% este ano. Até agosto, o efeito vem mais da queda de 22% das importações do que das exportações, que também caíram, mas menos: 16%.

No setor de manufatura, o real fraco tende a estimular a troca por insumos nacionais e deixar os produtos brasileiros mais em conta na comparação internacional.

Em 2014, a balança comercial brasileira teve seu primeiro déficit desde 2000. Mas a projeção para 2015 foi revisada recentemente pelo Banco Central de saldo de US$ 3 bilhões para US$ 12 bilhões.

Será então que a chamada “desvalorização competitiva” pode tirar o país da crise através do setor externo?

Instabilidade e defasagem

A resposta é não. O impacto é real e positivo, mas fica diluído em um cenário de desvalorização generalizada das outras moedas emergentes e comércio exterior fraco. A incerteza é grande em relação a China, nosso principal parceiro comercial. 

“Exportação depende principalmente do que está acontecendo com o comércio internacional e com os preços de commodities – e nenhum dos dois está ajudando muito”, diz o consultor Alexandre Schwartsman, ex-Diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central.

Além disso, ninguém começa (ou volta) a exportar da noite para o dia – especialmente com instabilidade da própria cotação, das regras do jogo e da economia como um todo.

“Muito do impulso viria de investimentos na produção de bens para exportar – e não tem muita gente querendo investir agora”, diz Bernardo Guimarães, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). No 2º trimestre do ano, o investimento teve o maior tombo desde 1996.

O governo lançou em junho um plano de incentivo às exportações mais estratégicas do que financeiro, visto pelo mercado como positivo. Mas o Reintegra, programa que devolve créditos para quem exporta, tem uma alíquota que muda o tempo todo.

De qualquer forma, o efeito do câmbio é defasado, já que anos de moeda sobrevalorizada fizeram o exportador perder mercado, contatos e relações.

“O cara que vendia sapato para China há 10 anos hoje não vende nada; agora, vai ter que ir em uma feira, estabelecer contatos, mandar amostras. Se perdeu a cultura exportadora”, diz Alberto Ramos, diretor para América Latina do Goldman Sachs.

Estudos do Goldman apontam que quanto maior o período de câmbio sobrevalorizado, maior é o tempo de resposta depois da volta para um patamar mais alto.

Fechamento

Também não ajuda que o Brasil passou muito tempo apostando no multilateralismo enquanto o mundo caminhava para acordos bilaterais.

Nosso último tratado de livre-comércio foi com Israel, em 2010. Não estamos há tanto tempo sem um novo desde o início do Mercosul em 1992 e só agora aparecem sinais promissores no caminho, como o avanço das negociações com a União Europeia

A economia brasileira é a mais fechada do G-20, segundo estudo recente da Câmara de Comércio Mundial. As exportações são apenas cerca de 12% do nosso PIB, contra 24% na Índia e 32% na Espanha.

Elas tendem a ajudar mais agricultura e indústria em uma economia em que predominam serviços: “Achar que o Brasil vai sair dessa exportando é algo muito remoto. É pedir para uma formiguinha carregar um elefante”, diz Schwartsman.

Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, disse que “o câmbio foi inventado por Deus para humilhar os economistas”. Mas tão arrogante quando achar que dá para prever seu comportamento é achar que ele define tudo: 

“O ganho via câmbio dá algum impulso para se reequilibrar, mas é sempre efêmero e nunca funciona no longo prazo. Nenhum país fica competitivo se empobrecendo: a única forma de fazer isso é sendo mais produtivo”, conclui Ramos.

 Fonte: Export News



Deixe seu comentário!

O DataBras Blog é um espaço onde a empresa expôe sua idéias e busca uma melhor interação com o público. Fique a vontade e esteja certo de que sempre encontrará por aqui artigos, notícias, atualizações e diversas coisas pertinentes ao nosso mercado de atuação.


categorias


Nossos diversos serviços podem ajudar e muito a sua empresa. Clique aqui e veja a lista completa.

Endereço:

R. da Conceição, 105, 15º Andar
Centro, Rio e Janeiro RJ - Brasil
 
comercial@databras.com.br

Telefones:

+55 21 2518-2363
+55 21 2263-6830